Minha foto
Paulista, Pernambuco, Brazil
As vezes sou poeta. As vezes sou poesia. Folhas ao vento que viajam em pensamento. As vezes sou um sorriso e um olhar. Sou perfume da essência a igualar. As vezes sou a gota d’água que faz toda uma diferença. As vezes sou menino, as vezes sou homem. As vezes sou livre! Quero ser eu de mim mesmo. As vezes nem existo!

23 de dezembro de 2010

Meu Binho



As vezes...
As vezes pego com apego no êxito,
E a solidão me arrasa o coração... Faz-me chorar.

As vezes pego sem pensar,
E penso sem poder alcançar.

As vezes quero colo para embalar a criança que em mim ah,
Sossego no travesseiro querendo entender de onde vem o som a ecoar.

As vezes os olhos brilham sem o nada ah,
E me pego bobo sem saber pra onde olhar.

As vezes canto sem saber onde o som vai pairar,
As vezes sonho os sonhos impossíveis que irei tentar realizar.

As vezes sou as ondas do mar que esbarra na praia,
A misturar à areia e água.

As vezes sou as notas de uma melodia,
Que ao vento flui e encanta.

As vezes sou uma lágrima a rolar,
Sou o grito a silenciar.


As vezes sou poeta.
As vezes sou poesia.

Folhas ao vento que viajam em pensamento.
As vezes sou um sorriso e um olhar.
Sou perfume da essência a igualar.

As vezes sou a gota d’água que faz toda uma diferença.
As vezes sou menino, as vezes sou homem.

As vezes sou livre!
Quero ser eu de mim mesmo.

As vezes nem existo!

Meu Binho sou eu, e amorosamente delicado é você.


Glebson Lima

24/12/2010 Meu aniversário.

15 de dezembro de 2010

Culpado


Culpo-te por estar assim desse jeito sensível,
Despertou em mim algo que estava aprisionado no fundo da alma.

Não estava preparado para sentir tudo isso, mas uma vez,
Hoje me sinto perturbado, assombrado por um sentimento que estava morto.

O sentimento é delicadamente amor lindo de viver,
Não me deixou em paz, desde então sofro...
Sofro num vazio de morrer,
Agora sozinho estou pelas ruas a vagar sentindo falta de um amor.

Derramo-me em lágrimas de desespero quando me assola a solidão,
Sentimento aprisionador que me toma sem dó e nem piedade,
Simples vem não pede permissão meu corpo geme de sofrer.

O ar me falta às palavras fogem, os olhos expressam a dor,
Já dão lugar às lágrimas que desesperadas correm pelo meu rosto a cair no chão,
Logo se secam e fica a dor.

Um dia está bem e o outro dia mal já não suporta o vazio,
Preciso repousar, pois, somente o sono ameniza a dor.

Você é culpado por despertar um sentimento tão doce e puro,
E que me fez tão mal.
Te amo!

Glebson Lima

13 de dezembro de 2010

Na próxima


Peguei o ônibus ele passou por diversos lugares,
Em avenidas com asfalto,
Ruas com relevos e buracos.

Ele me sacudiu de lado para o outro,
E me fez saltar da poltrona.

Passei por poucas, boas e melhores.
Cansado resolvi descansar,
Adormeci.

Descasei e sonhei que nunca mais o pegaria,
Passou um tempo e ele me assombrou.
O reencontrei numa parada.

Dei com a mão e segui em frente,
Achei que ele havia mudado,
Pois fazia tempo que não o pegava.

Enganei-me!


“Mas você é insegura, não tem responsabilidade...
Já cansaram de dizer isso!

Não quero, quero segurança!

PLENA SEGURANÇA.

Sim, como posso viver com um amor inseguro?

Não se iluda criança, dizer que mudou é fácil, o difícil é demonstrar
Sabe-se que as bocas dizem o que querem.

Mas você não mostrou isso quando te vi nas últimas vezes.

Chega certo?
Nós não vamos a lugar algum! 

A minha parada já passou e eu vou descer na próxima.

Te cuida, chega cedo em casa!

E cuidado nas esquinas,
 Elas nunca nos reservam algo de bom!
Adeus!”

Glebson Lima

10 de dezembro de 2010

Não permita


Acordei e assim me sinto, mais um vazio.
É maior que o de ontem, cheguei e deitei.

Só lembro-me de ter voltado a minha casa, e deitado em minha cama.
Adormeci!

Não faz assim, por favor, hoje me sinto mais só que ontem. Você partiu e deixou um vazio!

Eu preciso sentir tua presença, o calor do teu corpo e da tua boca, a tua pele.

Eu te ajudo a não me machucar "SE PERMITA!"

Se você me ama e eu sei que ama, se permita não deixe o tempo me levar.
Estou tão mais triste que ontem, você me machucou com já sabe... Mais tenta, por favor, a não permitir que isso aconteça.

Por mais que eu tente negar e fugir, tudo me leva ao ponto de partida.
Tudo me leva a Ti.

Faz-me feliz.

Glebson Lima

7 de dezembro de 2010

Sentindo falta


Hoje acordei indisposto e cansado,
E sentindo falta de momentos jamais vividos.

A falta que me faz de acordar todos os dias com tua companhia,
É aterrorizante.

Ter em meus braços, com um carinho no peito.
Teu olhar singelo de amor, me fazendo despertar.
Uma noite de amor.

Meu peito geme de agonia, 
Da dor eterna de não te ter me sufoca.

Provoca-me cansaço, desânimo e dores no peito.
A infelicidade reina nesses longos e duradouros momentos,
Lágrimas de sangue fluem como uma cachoeira.

É impossível me conter.

Meu céu já não é azul e as estrelas não brilham.
Meu rio não deságua não mar.
A ansiedade de viver é inexprimível.

Onde estais? Para onde vais?

Fica comigo!

Vem pra mim!

Da nada sei, mas o sentimento que tenho por mais doloroso que seja,
Não vai me impedir de te encontrar.

Quando leres esses versos tão somente saiba.
Sinto tua eterna falta.

Glebson Lima

25 de novembro de 2010

Eterno companheiro


O Silêncio me atrai e encanta. 
O que serei eu sem o silêncio?

 Como posso me calar se dele dependo e preciso? 
Eterno companheiro és meu refugio eterno, de ti sempre preciso.
Contigo aprendo a ser forte.

Prefiro me calar.

Glebson Lima

22 de novembro de 2010

Me diz quem é você?


Menino Homem me diz quem é você?

Sou um vazio insaciável de carinho... Sou a criança que anela amor.
Sou aquele que renasce todo dia no ventre.

Sou o desejo de um amor...
Envolvo ternura
 Exprimo um abraço em um laço.

Sinto paz e rancor... A minha falta me assola nos dias mais terríveis,
Sinto dor em sentir saudades.

Desejo ardente de acordar com beijos, sedento por uma boca,
Do calor que só dois corpos proporcionam.

Sou folhas ao vento sem destino e alento,
Busco algo jamais anelado.

Tenho fome e sede de mim
Encontro felicidade num sorriso,
Os meus segredos são os melhores estão em meu olhar.

Não conseguiras decifrar,
Minha mente reina e flui como o sol e a lua.

Sei apreciar a as coisas mais insignificantes,
Vivo na rua a contemplar o céu.

Sou o que me basta,
Sou menino sou homem.

Eu sou minha expressão,
Sou você.

Glebson Lima

21 de novembro de 2010

Nossa viajem


Fecha os olhos, esquece de tudo,
Pensa em nada do nada.

E lentamente sente como eu sinto o teu corpo,
Não tem expressão.

Entrega-te a mim!

O respirar forte, sussurrar é inevitável.
Teu calor carente de carinho,
A pele exalando amor.

O abraço confortável,
Desejando outros braços.

O tempo parou é impossível não parar,
Quando te amo o tempo se esquece do tempo.

É tão bom te amar,
Queria te amar todos os instantes do dia,
 E desejar que o tempo se esquece para sempre.

Qual a sensação?
Fecha os olhos, esquece de tudo,
Pensa em nada.

Glebson Lima

19 de novembro de 2010

Saudade e Dor

Estou sufocado que falta, que dor em não te ver
Sinto-me dependente da tua presença.

Que vazio sinto em meu coração,
Sinto-me desgastado já não sei se terei forças
Amanhã para levantar e encarar a vida.

Tua presença é minha força,
Sinto-me fraco e fracassado.

Sinto teu cheiro incomparável,
Teu suspirar forte,
Teu olhar que busca o meu.

Meu coração sangra em lágrimas,
Que dor, que vazio,
Para minha dor não tenho sentimento.


Lanço-me no mar... E minha dor sufoca em desespero.

Fica junto a mim e me faz um carinho,
Diz que sente minha falta e me quer perto.

O que mas queria era dormir agarradinho
Com você hoje, te sentir em meu peito a repousar.

Faz-me feliz, não me deixa esperando te quero num abraço,
Vem pra mim.

Glebson Lima

16 de novembro de 2010

Teu doce sorriso



Teu sorriso um alívio...

A felicidade que sinto quando sorrir pra mim é sem limites.

Meu universo não suporte tanta felicidade,
Teu sorriso é belo quão doce entre doces.

 Me da um sorriso e tudo que sinto é você perto.

Um pensamento teu sorriso exprime,
E me arranca suspiros inexplicáveis.

E bobo fico só com meus pensamentos,
Estou aqui, estou ali...
Me pego bobo pensando na beleza dos teus lábios,
A me ver e sentir.

Teu sorriso é minha cura,
 Cura boba que me causa a mais
Dolorosa e amável dor.

A dor da felicidade!


Glebson Lima

15 de novembro de 2010

Partida


Quando parto é sempre doloroso,
Meu coração sempre pulsa desesperadamente forte.
Acelera de uma forma inexplicável,
Sinto tanta dor como se fosse a ultima vez.

Meus olhos te buscam até quando não da mais,
E continuam a te procurar, não tenho certeza de nada,
Não tenho certeza se no outro dia vou te ver.

Se algum dia vou te reencontrar.
Não tenho certeza de nada,
 O que sinto é a tua perda.

Ela a mim vem como um desespero profundo
Que me amargura e me faz sofrer,
Sinto perder-te a cada e toda despedida.

Como um barco a vela lançado no mar sem um comandante,
Que vaga sem destino e se perde nas águas azuis.

Que dor sinto tão profunda por despedir-me de ti,
É inexprimível.

Mesmo tendo consciência de que toda vez que partir vou-te sentir perder,
Só me diz uma palavra e vou me sentir bem!
Glebson Lima

12 de novembro de 2010

Tua falta


Hoje preferia não ter tornado a minha casa.
Queria estar em teus braços,
Sentir o suave perfume que só em ti exala.

Sentir o calor do teu amor,
O teu abraço sobre aquecer-me.
Sentir o teu amor aquecer meu frio,
Fazer-me ter segurança.

Teu carinho fluir ternura e cuidado.
Te sentir recostar em meu peito,
Fazer-te carinho e te sentir suspirar forte.

Olhar em teus olhos e vê-los brilhar de felicidade,
Teu sorriso reluzente me fazendo sentir paz.

A falta em sentir tua falta me faz falta,
Tua presença era o que eu mais queria hoje.

Preciso do teu amor!

Glebson Lima

10 de novembro de 2010

O perfume de uma história



Momentos raros são lançados na noite,
O tempo para e os instantes voam. 


É arriscado, secreto, pois para noite reserva-se escuridão,
O inesperado anseio de momentos jamais provados.

Percebe-se tensão, medo do que venha do inusitado,
Arriscam-se conversas e sussurros,
Declaro que te amo sem medo. 




Os abraços expressam carinho... A ausência de alguém,
A falta que se faz em ter alguém um carinho.
A carência flui como um perfume na pele,
Essência jamais inspirada por narinas
E tão anelada por tantos. 




Privilégio concedido por uma noite,
Só uma.
Arriscam-se cochilos recostado em meu peito e o tempo parou,
E não se percebe a noite foi tão longa.

Abraçar-te foi meu maior desejo,
Sentir em ti que sou um refúgio. 



O frio assola-me e em teus braços encontrei calor,
A paz que nunca encontrei em qualquer vã ser. 


Teu carinho me aqueceu, teu cuidado me sarou,
Sou feliz, pois o tenho juntado a mim.

Hoje o tempo para e a história se repete,
Para e lembra no tempo que parou. 


Eles não morreram o perfume ainda está em teu bolso,
A essência ainda flui bem viva em mim. 




Glebson Lima

6 de novembro de 2010

Isso é viver


Viver é saber que o tempo não volta.


É viver intensamente cada inusitada circunstância. 
É desfrutar de cada respirar com a mente limpa.


É doar sem querer receber.
É entregar-se como as folhas ao vento,
Permitindo-se ser levado pra longe sem destino.

É ser como as ondas do mar,
Que sempre voltam a beira mar.

É ser expressão.
É ser simples como a poesia.
É ter paz , refletir transparência.
É ter tudo e nada. 
É acreditar.

É esperar o momento exato para sorrir.
É ser criança no dia da criança.
É se superar a cada dia.


É fazer travessura.
É usar de olhares,
Para os momentos mas inesperados.

É brincar na praça,
E não olhar para quem passa.

É ligar e fazer um convite:
Amor tenho saudades, vem me ver.

É reconhecer que nada passa de uma brincadeira.
É ter o olhar da criança.

É ser capaz de dizer: Eu sou capaz.

É sorrir sem motivo,
A final pra que motivo para sorrir?

É desesperar-se por não ter desespero.
É gritar aos quatro cantos  e dizer:
Eu vivo intensamente.

Isso é viver!

  Glebson Lima


4 de novembro de 2010

Minhas Dores


Sou um poeta lascado e ferrado preso num mundo insã 

Que não entende a dor de um homem 
No rosto um sorriso estampado, na alma um coração deslacerado. 

Fico triste junto contigo, 
não precisa. 
Deixa eu e a poesia falar de amor, tristeza, dor e solidão. 

Solidão? 
Eu estou sempre com você 
Estou! 

A solidão é visível aos olhos de quem a quer enxergar 
Te ver vai além do que a tua aparência 
Ninguém ver como eu enxergo. 

Chega não quero mais, é dor é sofrer. 
Vou-me tenho que viver com a sina de um poeta e sofrer calado.

Glebson Lima